Você não precisa disso para se adaptar bem no exterior

Gabriela Ribeiro      terça-feira, 16 de abril de 2019

Compartilhe esta página com seus amigos

 

 

Eu acho essas casas tortas muito charmosas. Elas não remetem a um passado muito distante ou a um mundo encantado?

 

Já me deparei com várias delas em algumas cidades e vilarejos aqui no Reino Unido. São casas medievais, construídas nos séculos 15 e 16, que ainda estão intactas, apesar das estruturas estarem inclinadas e suas vigas contorcidas.

 

O motivo? Foram construídas com madeira verde, ainda úmida e que não estava pronta para ser usada em construção. Com o passar dos anos, a água foi evaporando e a madeira trabalhou retraindo, expandindo e criando essas estruturas tão únicas.

 

Isso me lembra um pouco do que acontece conosco com o passar do tempo. Vamos fazendo escolhas, optando por certos caminhos e adotando atitudes que nos fazem ser quem somos. Que nos moldam de forma única.

 

 

 

 

Acertamos, nos precipitamos, nos equivocamos, ou não agimos. E todo movimento (interno e externo) que fazemos, vai esculpindo a nossa vida, relacionamentos, corpo, emoções, pensamentos e ações. Vamos nos tornando construções exclusivas e singulares. E nossa beleza ímpar também reside nas nossas vigas tortas e inclinadas, pois elas contam a nossa história. E tudo é válido, ás vitórias e as lições aprendidas. Faz parte da nossa humanidade, não é mesmo?

 

E como diria Brené Brown, que tenhamos coragem para sermos imperfeitos. Principalmente, quando somos estrangeiros, trabalhando e se expressando em outro idioma e se adaptando a um novo sistema cultural.

 

 

 

 

Acredite, a PERFEIÇÃO é a última das habilidades necessárias para um processo de adaptação saudável. Agora, FLEXIBILIDADE, CAPACIDADE DE SE CONTORCER E INCLINAR, essas sim são virtudes que vão te ajudar (e muito!) a se reconstruir e sempre que for preciso.  Em qualquer lugar do mundo!

 

Não tem jeito, a nossa "imperfeição" vai aparecer no sotaque, numa gafe cultural, numa piada não entendida, no erro de um trajeto, entre tantos momentos que lembrarão que viemos de outro local. 

 

 

 

Comentários

Gabriela Ribeiro Psicóloga e Treinadora Intercultural

Gabriela Ribeiro

 

Sou psicóloga e treinadora intercultural apaixonada e curiosa por esse planeta, por diferentes culturas e migrações. Paixão que me leva a desbravar diferentes lugares e formas de viver - e sentir na pele as dores e delícias da vida no exterior. Atualmente vivo em Londres, já morei na Nova Zelândia, fiz um mestrado em Comunicação Intercultural na Suiça e estive em 31 países.  Há 12 anos entendi que a minha missão é ajudar as pessoas a serem felizes longe de casa. Ou melhor, é ajudá-las a se sentirem em casa  em qualquer lugar do mundo, convivendo com a diversidade cultural e sendo o melhor que puderem ser. Para si e para os outros.